Embaixada de Portugal em Estocolmo - Suécia

  • Increase font size
  • Default font size
  • Decrease font size
Home Economy
Print

Portuguese Economy

moeda_euro

Portugal has changed immensely over the past 30 years. The revolution of 1974, the decolonization, the negotiation and finally accession to the European Union and, most recently, the adoption of the Euro, have profoundly marked the past three decades and changed the entire structure of the country. But the final balance has been positive. Throughout this period, the Portuguese economy has evolved substantially and modernized rapidly. The standard of living, measured as per capita income, has risen by 2 per cent per year, and is converging with the Community average: it now stands at 65% of the average, five points up on 1973. At the same time, social cover has expanded to an extraordinary extend; working hours have fallen, social indicators improve at a steady pace and education rates have risen impressively and are now at European levels.

 
With time, the economy has become more open to the outside world, and Portuguese entrepreneurs are beginning to invest abroad. The government has raised spending on education and health, with a consequent rise in public consumption in domestic expenditure. At the same time, Portuguese people have begun to adopt new lifestyles more typical of countries with a higher standard of living. The principal «victim» has been the rural world, which has been replaced by a more urban, consumer society. The household savings rate fell by 24% to around 9% of disposable income, and indebtedness has risen substantially, in particular during the past three years.


There have also been sweeping changes in the structure of the economy. The share of services has risen, whilst industry, construction, agriculture and fisheries have all lost ground. In employment terms, too, the services sector has grown at the expense of the rest.
Traditional industries are beginning to be replaced by sectors with a higher level of technology, such as transport equipment and machinery, which is now the largest single sector in Portuguese industry.


Portugal's economy successfully adapted to negative impacts such as the two oil crises and the effects of decolonization. This was done without serious falls in living standards or rises in unemployment, although it was real earnings which bore the brunt of the adjustments. It has been far more difficult, on the other hand, to adapt to the current world crisis.


At the same time, it is important to stress that the process of reducing inflation, needed to join the single currency, met all its aims. Joining the European Community was a success, and the country was able to benefit well from Community funds, in particular as regards infrastructures. This was notably the case with highway construction, which made for substantial cuts in road transport times, contributing to improved communications between regions and lower transport costs.


However, the great changes in Portuguese society also brought major imbalances and further widened the gap between the younger generations, with a high level of education and easy access to computing, and the older generations with low levels of education and a still high rate of illiteracy.
Another divide which has deepened over the years is that between the coastal regions - principally the metropolitan areas - and inland areas of Portugal, which are in economic and demographic decline. Neither the new highways, nor the generally dynamic democratic local government, established since the 25 April 1974 revolution, have been sufficient to counter this process.


Agriculture, forestry and fisheries continue to show low levels of productivity yet still employ 11.6% of the total labour force. With a relatively elderly workforce whose level of education is below the national average, it will be hard to shift these workers to any other sector of activity, and this represents a serious social problem.


The gap between Portugal's productivity and the Community average remains wide. Despite the substantial investments in physical and human capital, Portuguese productivity growth has been weak and as a result external competitiveness is low.


Finally, Portugal's traditional trade deficit has worsened over recent years, although 2006 saw a recovery with a substantial rise in exports. However, the profile of exports - mostly to the rest of the EU - has changed significantly over recent years, with an increase in the weight of sectors such as machinery and vehicles, and a decline in the more traditional sectors such as clothing and footwear, which has fallen from 30% to 13% of total exports over the past 15 years.


In services, tourism accounts for around 5% of GDP and is a dynamic component of exports. Together, tourism and the travel sector bring in a net contribution to the current balance of around 2.7% of GDP.

 
The other external sources financing the deficit on the current external balance over this period « migrants» remittances and community funds ?are becoming less significant in terms of the economy as a whole.


As in other EU Member States, Portuguese society is ageing rapidly. The percentage of the population aged over 65 has doubled in the last 30 years, and this is putting great pressure on the social security system. Measures have recently been adopted which will ensure the sustainability of the system for some decades, but the ageing of the population remains a serious challenge to the Portuguese economy, principally because it overlaps the problems of competitiveness mentioned earlier.


In this context, the main factors are the deregulation of world trade, the fact that Portugal does not have its own macroeconomic policy, the lesser weight of the traditional sources covering the trade deficit (remittances and structural funds), and the polarizing effects of European integration, strengthening the centre at the expense of the peripheral regions.

 
Even so, the Portuguese economy has shown an impressive ability to surmount the difficult challenges it has had to face over the past 30 years. This gives good reason to believe that it will be equally capable of doing so with these new challenges.


Source: «Retrato de Portugal» , adapted text from "A Economia", by João Ferreira do Amaral
 

Main Economic Indicators

2005 2006 2007 2008 2009 2010(a) 2011(a)
GDP at market prices
Million EUR
149.124 155.446 163.052 166.276 163.595 164.132 168.494
 
0,9 1,4 1,9 0,0 -2,7 0,7 0,9
   - Per Capita  
EURO
14.136 14.686 15.382 15.649 15.176 15.085 15.802
   - Private Consumption
Million EUR
96.690 101.599 106.060 110.686 107.864 110.340 112.890
   - Public Consumption
Million EUR
31.974 32.133 33.050 34.636 36.876 37.360 38.332
   - Investment (GFCF)
Million EUR
33.098 33.758 35.572 36.079 31.176 28.512 29.319
   - GFCF (excluding construction)                
% of GDP
10,6 10,6 10,9 10,9 9,6 n.d. n.d.
Population
'000 inhabitants
10.563 10.584 10.608 10.622 10627 10.637 10.710
Employment (b)
'000 individuals
5.123 5.160 5.170 5.198 5.016 5.000 5.000
Unemployment (b)
'000 individuals
422 428 449 427 529 500 500
Participation rate (b)
% of total pop
62,2 62,5 62,6 62,5 61,9 n.d. n.d.
Unemployment rate (c) Portugal
% of active pop
7,6 7,7 7,9 7,6 9,5 9,8 9,8
Unemployment rate EU-27 (d)
% work pop
8,9 8,2 7,1 7,0 8,9 10,3 10,2
Overall Balance - General Government
% of GDP
-6,1 -3,9 -2,6 -2,7 -9,3 -8,3 -6,6
Public Debt
% of GDP
63,6 64,7 63,5 66,4 76,6 85,4 88,9
Current Account Balance
Million EUR
-14.139 -15.680 -15.327 -20.119 -16.721 -16.859 -17.186
% of GDP
-9,5 -10,0 -9,4 -12,1 -10,2 -10,2 -10,2
HCPI - Portugal
Annual change - average
2,1 3,0 2,5 2,6 -0,8 0,8 1,9
HCPI - EU 27 (d)
Annual change - average
2,3 2,3 2,4 3,7 1,0 1,3 1,6
Source: GEE-Gabinete de Estratégia e Estudos based on INE - Instituto Nacional de Estatística, unless otherwise indicated
Notes: (a) Forecast: Eurostat; European Commission; EIU - Economist Intelligence Unit; Banco de Portugal; PEC 2010-2013    (b) INE - Employment Statistics; EIU        (c) INE; European Commission; Banco de Portugal    (d) Eurostat; European Commission  n/a - not available 

 

Read more:

AICEP Portugal Global  www.portugalglobal.pt

 

 

Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner

Destaques

There are no translations available.

Esclarecimentos gerais sobre os efeitos da aplicação da troca automatica de informações em material fiscal às contas de emigrantes e de portugueses residents com contas no exterior

Síntese:

Os mecanismos de troca de informações em matéria fiscal em vigor decorrem de compromissos internacionais de Portugal (Diretiva 2014/107/UE do Conselho, de 9 de dezembro de 2014 e Acordo FATCA, assinado com os Estados Unidos da América, em agosto de 2015).

A Autoridade Tributária e Aduaneira (AT) vai passar a reportar, à administração fiscal dos países da residência de pessoas com conta bancária em Portugal, uma vez por ano, o saldo dessas contas, recebendo num regime de reciprocidade os dados correspondentes relativos a residentes em Portugal.

A AT não vai passar a ter acesso às contas bancárias dos portugueses residentes no estrangeiro, nem acesso aos movimentos das contas. Os bancos que operam em Portugal, nacionais ou estrangeiros, apenas transmitem à AT a informação sobre os saldos das contas apurados no último dia de cada ano.

A generalidade dos países, incluindo praças offshore, já faz o mesmo, pelo que se as contas forem deslocalizadas para outros países (ou bancos desses países) ficam, provavelmente, sujeitas a obrigações semelhantes. A deslocalização de contas para bancos estrangeiros não produz qualquer efeito útil para efeitos de não aplicação da troca automática de informação entre países.

• A prestação desta informação não representa a criação de nenhum imposto adicional sobre as contas de emigrantes, nem existe em Portugal qualquer tributação sobre os saldos de conta apurados para efeitos da comunicação referida.

Esclarecimentos:

1.1. O Decreto-Lei n.º 64/2016, de 11 de outubro, que implementa um conjunto de mecanismos que possibilitam a troca automática de informações em matéria fiscal entre países, resulta do cumprimento de compromissos internacionais do Estado Português no sentido de reforçar os mecanismos de natureza transfronteiriça considerados internacionalmente necessários como meios de combate à fraude e evasão fiscais, ao branqueamento de capitais e ao financiamento da criminalidade organizada e do terrorismo.

1.2. O diploma aprovado procede à transposição da Diretiva 2014/107/UE do Conselho (troca automática de informações obrigatória no domínio da fiscalidade) e implementa o Acordo Multilateral das Autoridades Competentes para a Troca Automática de Informações de Contas Financeiras celebrado ao abrigo da Convenção sobre a Assistência Mútua em Matéria Fiscal da OCDE, destacando-se as seguintes características principais:

(i) Estabelece um mecanismo automático de acesso e troca de informações financeiras em relação a contas detidas em Portugal por não residentes e a contas detidas por residentes no estrangeiro, incluindo cidadãos portugueses;

(ii) Permite o acesso da AT, e a comunicação a outros países da União Europeia ou países terceiros aderentes à Convenção da OCDE, de saldos bancários e de informações sobre aplicações financeiras, sediadas em Portugal, respetivamente, de residentes noutros países da UE e de residentes noutros países que tenham aderido ao sistema da OCDE, em condições de reciprocidade;

(iii) O valor mínimo do saldo para acesso e troca de informação está limitado a 1 000 euros para contas existentes até 2015, não existindo limite mínimo para as restantes, limites estes que resultam da diretiva;

1.3. Aprova-se, igualmente, a regulamentação associada à implementação acordo com os EUA resultante do Foreign Account Tax Compliance Act (FATCA) destacando-se as seguintes características principais:

(i) Permite o acesso da AT, e a comunicação aos EUA, dos saldos bancários e informações de aplicações financeiras, sediadas em Portugal, titulados por cidadãos americanos residentes em Portugal, pessoas residentes nos EUA e cidadãos portugueses que tenham tido autorização de residência nos EUA;

(ii) O acesso e troca estão limitados a um valor mínimo de saldo correspondente a 50 000 dólares para que seja desencadeado o dever de comunicação, limite este que resulta do Acordo concluído com os EUA.

1.4. Este mecanismo de troca de informações é obrigatório para todos os países membros da União Europeia, tendo ainda sido adotado pela generalidade dos países membros da OCDE e por muitos outros países ou territórios, incluindo praças offshore.

1.5. A Autoridade Tributária e Aduaneira não vai passar a ter acesso às contas bancárias dos emigrantes portugueses e, por maioria de razão, não terá qualquer acesso aos movimentos das contas por esta via. Ao abrigo deste regime, os bancos que operam em Portugal, nacionais ou estrangeiros, apenas transmitem à AT a informação estritamente necessária, limitada aos saldos das contas apurados no último dia de cada ano, a qual será, posteriormente, transmitida às autoridades fiscais do estado da residência do titular.

1.6. Não se trata da imposição de nenhum imposto adicional sobre as contas de emigrantes; em Portugal não incide qualquer tributação sobre os saldos de conta apurados para efeitos da comunicação referida.

1.7. Os dados comunicados à AT não valem, por si só, para aferir situações de fraude e evasão fiscal. Constituem apenas elementos adicionais disponibilizados à AT que lhe permitirão, de forma integrada e em conjugação com outros elementos (v.g. valores e património declarados, etc), apurar se existem indícios de práticas tributárias ilícitas relativamente a determinados contribuintes (v.g. ocultação de património, subdeclaração de rendimentos, etc).

1.8. As obrigações de troca automática de informações estabelecem-se numa base reciproca entre Estados. Isso significa que a AT reportará os dados elegíveis, e apenas esses, relativos a contas detidas em Portugal por emigrantes aos respetivos países de residência; mas também que receberá das autoridades fiscais estrangeiras os dados relativos às contas tituladas no estrangeiro por residentes em Portugal, independentemente da instituição financeira que aí opera ser nacional ou estrangeira. Por este motivo, a deslocalização de contas para bancos estrangeiros não produz qualquer efeito útil de exclusão do regime referido.

1.9. Assim, por exemplo, é indiferente se a conta de um português residente nos Estados Unidos da América está num banco português a operar nos EUA ou num banco americano. É igualmente indiferente se a conta estiver num banco português em Portugal ou num banco americano em Portugal. Neste exemplo, nos quatro casos, a autoridade fiscal americana terá a informação relativa ao saldo das contas apurados no último dia de cada ano.