Embaixada de Portugal em Estocolmo - Suécia

  • Aumentar o tamanho da fonte
  • Tamanho padrão da fonte
  • Diminuir tamanho da fonte
Home Economia
Versão para impressão

Economia Portuguesa

moeda_euro

Durante a década de 90, Portugal seguiu uma política económica determinada pelos critérios de convergência da União Económica e Monetária (EUM), do que resultou a entrada no país na zona euro em Janeiro de 1999.

Em termos de estrutura da economia, é de salientar o crescente domínio do setor dos serviços, à semelhança, aliás, dos seus parceiros europeus. Em 2011, agricultura, silvicultura e pescas representaram apenas 2,1% do VAB (contra 24% em 1960) e 9,9% do emprego, enquanto a indústria, construção, energia e água corresponderam a 23,3% do VAB e 27,3% do emprego. Os serviços contribuíram com 74,5% para o VAB e representaram 62,8% do emprego.

Para além de uma maior incidência dos serviços na atividade económica, registou-se uma alteração significativa no padrão de especialização da indústria transformadora em Portugal. Modernizou-se, saindo da dependência de atividades industriais tradicionais para uma situação em que novos setores, de maior incorporação tecnológica, ganharam peso e uma dinâmica de cresciemnto, salientando-se o setor automóvel e componentes, electrónica, energia, farma cêutico e novas tecnologias. ainda nos serviços, refira-se a importância da posição geográfica de Portugal, usufruindo do clima mediterrânico, moderado pela influência do Atlântico, bem como o significado da imensa costa portuguesa, que apoia uma relevante indústria turística.

 

Principais Indicadores Económicos

2008 2009 2010 2011 2012(a) 2013(a) 
PIB pm
Milhões EUR
171.983 168.504 172.670 171.112 168.286 172.648
t.v. volume
0,0 -2,9 1,4 -1,6 -3,3 0,3
   - Per Capita  
EUR
16.195 15.885 16.194 16.150 15.497 15.341
   - Consumo Privado
Milhões EUR
114.956 109.774 113.915 113.489 109.316 110.948
   - Consumo Público
Milhões EUR
34.532 37.160 37.293 34.490 31.580 30.015
   - Investimento (FBCF)
Milhões EUR
38.634 34.630 34.124 30.884 28.377 29.474
   - FBCF (excluindo construção)                
% PIB
9,1 7,9 7,4 6,6 n.d. n.d.
População
Mil hab
10.623 10.638 10.636 10.647 10631 10.626
Emprego (b)
Mil indiv
5.198 5.054 4.978 4.837 4.856 4.863
Desemprego (b)
Mil indiv
427 529 603 706 741 748
Taxa de Actividade (b)
% pop total
62,5 61,9 61,9 61,3 n.d. n.d.
Taxa Desemprego (c) Portugal
% pop activa
7,6 9,5 10,8 12,7 13,6 13,7
Taxa Desemprego UE-27 (d)
% pop activa
7,1 9,0 9,7 9,7 9,8 9,6
Saldo Global SPA
% PIB
-3,5 -10,1 -8,3 -4,2 -4,5 -3,2
Divída Pública
% PIB
71,6 82,9 93,3 102,2 111,0 112,1
Saldo da Balança Corrente
Milhões EUR
-21.669 -18.375 -16.739 -13.0005 -8.414 -6.561
% PIB
-12,6 -10,9 -10,0 -6,4 -5,0 -3,8
IHPC - Portugal
t.v. anual
2,7 -0,9 1,4 3,6 3,3 1,5
IHPC - EU 27 (d)
t.v. anual
3,7 1,0 2,1 3,1 2,3 1,8
Fonte: GEE-Gabinete de Estratégia e Estudos a partir da base do INE - Instituto Nacional de Estatística, excepto indicação em contrário
Notas: (a) Previsões Eurostat; Comissão Europeia; EIU - Economist Intelligence Unit; Banco de Portugal;    (b) INE - Estatísticas do Emprego; Comissão Europeia        (c) INE; Comissão Europeia;     (d) Eurostat; Comissão Europeia           n.d. não disponível 

 

Para saber mais:

AICEP Portugal Global:  www.portugalglobal.pt

Portugal Economy Probe: www.peprobe.com

 

 

 

Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária

Destaques

   

O 25 de Abril e a Diplomacia

No plano internacional, o poder político saído do movimento militar do 25 de Abril de 1974 foi rapidamente reconhecido pelos principais aliados e países amigos de Portugal, assim como por outras potências com as quais o país não mantinha relações diplomáticas. Os primeiros contactos para dar a conhecer as grandes linhas do Programa do MFA e as intenções da Junta da Salvação Nacional foram em boa medida conduzidos por Mário Soares (recentemente regressado do exílio), em breve nomeado ministro dos Negócios Estrangeiros do I Governo Provisório. A diversificação das relações exteriores de Portugal, o estreitamento dos laços com os países europeus, e o apoio ao dossier da descolonização foram algumas das principais prioridades das novas autoridades nos meses seguintes. Para além das novas perspectivas geradas pela mudança de regime (das quais se destacaria a aproximação às Comunidades Europeias a partir de 1977), o 25 de Abril constituiu igualmente um momento de abertura no tocante à própria actividade diplomática, com os novos concursos de admissão ao MNE a tornarem possível o ingresso das mulheres na profissão. 

No site da Associação dos Amigos do Arquivo Histórico-Diplomático são dados a conhecer alguns documentos relativos a este período, bem como uma tabela que dá conta da expansão das relações diplomáticas do país após 1974. Para mais informações, clique aqui.